Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

08/06/2020 - 16:35 - Atualizado em 08/06/2020 - 16:38
A voçoroca é apenas um buraco na terra?
Veja a explicação do Laboratório de Geomorfologia e Erosão dos Solos
por Autor: 
Portal Comunica UFU
Por: 
Juliana Sousa Pereira*

 

Voçoroca na Fazenda Experimental do Glória (Foto: Banco de dados do Laboratório de Geomorfologia e Erosão dos Solos/LAGES)

 

Você deve ter passado por algumas áreas rurais ou urbanas e percebido a presença de uma grande cavidade na terra, evidenciando um desequilíbrio no ambiente, que fica muito claro pela presença do solo exposto devido às poucas espécies vegetais existentes. Esse “buraco” recebe o nome de voçoroca,  também é conhecido como boçoroca (oriundo do tupi-guarani: ibi-çoroc) e significa terra rasgada. 

É um dos tipos de erosão causados pelas chuvas, chamado de erosão pluvial. A erosão é um processo, e pode acontecer em três etapas. A primeira é quando a gota de chuva cai no solo e acaba por compactá-lo ao mesmo tempo em que desagrega parte da sua estrutura. A segunda etapa diz respeito ao transporte das partículas do solo que foram desagregadas anteriormente. E por fim, a terceira etapa, encarregada pela deposição desse material erodido, quando não há mais força para transportá-lo. Essa deposição acontece nas partes mais baixas do relevo, nos corrego, rios e represas.

 

Voçoroca na Fazenda Experimental do Glória (Foto: Banco de dados do Laboratório de Geomorfologia e Erosão dos Solos/LAGES)

 

A erosão pode causar muitos danos, tanto ambiental quanto social e econômico. As áreas atingidas por voçorocas apresentam baixa fertilidade natural e o endurecimento da camada superior dos solos, com a formação de crostas e a consequente diminuição da infiltração da água da chuva. A contaminação do lençol freático por defensivos agrícolas e por resíduos de lixo doméstico, bem como os restos de materiais da construção civil contribuem para a degradação ambiental.

Quando as voçorocas estão próximas das estradas, dificultam o acesso a determinadas localidades, impossibilitando o transporte dos produtos agropecuários e das crianças em idade escolar. A perda do valor da propriedade também é um fator preocupante e que, aliado à baixa produção de alimentos, pode comprometer a segurança alimentar de alguns municípios. 

 

Voçoroca na Bacia do Ribeirão Douradinho – Uberlândia (MG). (Foto: Banco de dados do Laboratório de Geomorfologia e Erosão dos Solos/LAGES)

 

Já sabemos a definição da erosão pluvial e as consequências desse processo no ambiente; agora, falta conhecer os elementos controladores desse fenômeno. Podemos falar em cinco elementos: a intensidade das chuvas, os tipos de solos, a cobertura vegetal, as características do relevo e as práticas de conservação existentes, como a curva de nível, por exemplo. É a interação desses fatores que determina o desenvolvimento da voçoroca, cada um exercendo maior ou menor influência nas taxas de erosão.

Vários são os processos que acontecem dentro de uma voçoroca, desde a ação da água na superfície, responsável por compactar e desagregar o solo, quanto em subsuperfície, com a formação de dutos que transportam grande quantidade de materiais e, claro, o aprofundamento dessa forma erosiva. É devido a essa interação entre os diversos processos que, de maneira nenhuma, a voçoroca pode ser considerada apenas como um “buraco na terra”.

 

Voçoroca na Bacia do Ribeirão Douradinho – Uberlândia (MG). (Foto: Banco de dados do Laboratório de Geomorfologia e Erosão dos Solos/LAGES)

 

E nós, enquanto seres pertencentes ao meio ambiente, podemos adotar as práticas educativas de conservação ambiental, como a destinação correta do lixo, ou seja, nunca descartar os resíduos em uma voçoroca. E se for em propriedade rural é fundamental cercar a área da voçoroca para evitar que o gado tenha acesso e acarrete ainda maiores danos, possibilitando assim, o processo de recuperação dessa área, que pode levar muitos anos para acontecer.

Nós, do Laboratório de Geomorfologia e Erosão dos Solos, desenvolvemos estudos nesse campo do saber e em vários outros ligados à dinâmica do relevo. Será um prazer recebê-los e apresentarmos nossas pesquisas a vocês.

 

*Juliana Sousa Pereira é professora na Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais, aluna do curso de Doutorado da Geografia e desenvolve sua pesquisa no Laboratório de Geomorfologia e Erosão dos Solos (LAGES-UFU).

 

A seção "Leia Cientistas" reúne textos de divulgação científica escritos por pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). São produzidos por professores, técnicos e/ou estudantes de diferentes áreas do conhecimento. A publicação é feita pela Divisão de Divulgação Científica da Diretoria de Comunicação Social (Dirco/UFU), mas os textos são de responsabilidade do(s) autor(es) e não representam, necessariamente, a opinião da UFU e/ou da Dirco. Quer enviar seu texto? Acesse: www.comunica.ufu.br/divulgacao. Se você já enviou o seu texto, aguarde que ele deve ser publicado nos próximos dias.

 

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2020. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal