Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

16/09/2020 - 17:02 - Atualizado em 21/09/2020 - 15:18
Metalofármacos podem combater vírus, afirma estudo da UFU, USP e Unicamp
Compostos como auranofina estão sendo estudados como proposta de reposicionamento
por Autor: 
Diélen Borges

 

Resumo gráfico desenhado por Fernando Bergamini

Em artigo publicado no especial "Novos Talentos da América", da revista DALTON TRANSACTIONS, no dia 3 de setembro, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) questiona: "O que está atrasando a aplicação de metalofármacos como antivirais?" A partir dessa pergunta, que intitula o artigo, e da revisão de outros estudos, são apresentadas as implicações dos metalofármacos frente ao novo coronavírus, o SARS-CoV-2, causador da Covid-19, e a novos surtos virais.

Metalofármaco é um fármaco (princípio ativo de um medicamento) que contém metal na sua composição. Vários metalofármacos já são utilizados, como a cisplatina e os seus derivados, no tratamento de tumores de cabeça, pescoço e testículos; a sulfadiazina de prata [Dermazine], que tem atividade antibacteriana e é aplicada na forma de pomada para queimadura; a auranofina [Ridaura (R)], usada para tratar artrite reumatoide; e o ferro bisglicinato [Neutrofer(R)], que combate a anemia.

Muitos metais têm atividade antimicrobiana intrínseca. Segundo um dos autores do estudo publicado pela Dalton Transactions, Fernando Bergamini, que é professor do Instituto de Química da UFU, na época medieval, uma mistura contendo o sal metálico nitrato de prata era usada como ferramenta de cirurgiões para impedir o crescimento de microorganismos. "Era uma pontinha, chamada lapis infernalis, porque queimava, mas era o que tinha para 'cauterizar' feridas na época", conta o pesquisador. 

"Aí vem a pergunta: por que não há, até o momento, compostos de coordenação metálicos aprovados para aplicação como fármacos antivirais, sendo que a gente sabe que os metais têm a capacidade de inibição de certos processos biológicos?", problematiza Bergamini. Os cientistas demonstraram, no artigo, que a faixa de atividade antiviral dos metalofármacos in vitro é muito similar à atividade de fármacos orgânicos, inclusive frente ao Sars-Cov-2. Assim como os antivirais "puramente orgânicos", os metalofármacos têm que seguir o paradigma da seletividade, ou seja, devem atuar contra a maquinaria viral e não contra as células humanas.

Segundo Bergamini, os íons metálicos tendem a ser mais versáteis que os orgânicos, o que permite aos cientistas fazerem ajustes finos durante o desenvolvimento de fármacos, e também são menos eletronegativos, o que possibilita que eles recebam carga com facilidade e favorece as trocas de ligantes com o meio. "É uma das razões porque a natureza inclui íons metálicos nos nossos sistemas biológicos. Cerca de 30% a 40% das nossas proteínas contêm íons metálicos para desempenhar efetivamente suas funções", explica o pesquisador.

Quanto ao tratamento da Covid-19, de acordo com Bergamini, está em fase de testes in vitro a auranofina, como proposta de reposicionamento de fármacos já aprovados para outras aplicações. No artigo publicado neste mês, os autores defendem que os cientistas precisam ampliar os estudos sobre os metalofármacos e ir além no entendimento dos alvos terapêuticos. "Os metalofármacos podem chegar a ser a única solução para casos muito específicos. Além de antivirais, no desenvolvimento de fármacos antibacterianos. No futuro podemos ter vírus e bactérias mais resistentes. Os metalofármacos, muitas vezes, desempenham, mais do que um mecanismo de ação. Eles impedem que haja surgimento muito rápido de resistência", diz Bergamini.

 

Imagem: Reprodução da Dalton Transactions

 
Política de uso: A reprodução de textos, fotografias e outros conteúdos publicados pela Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal de Uberlândia (Dirco/UFU) é livre; porém, solicitamos que seja(m) citado(s) o(s) autor(es) e o Portal Comunica UFU.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2020. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal