Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

23/10/2020 - 15:18 - Atualizado em 27/10/2020 - 14:24
Outubro: mês de homenagear aqueles que tiveram uma breve vida
Professora do Instituto de Biologia escreve, na seção Leia Cientistas, sobre perdas gestacionais
por Autor: 
Portal Comunica UFU
Por: 
Natália Mundim Tôrres*

 

Um dos desenhos que Natália fez, representando pais e mães que passam pela perda de seus filhos (Foto: arquivo pessoal)

 

O mês de outubro é lembrado por vários motivos – prevenção ao câncer de mama, dia das crianças, dos professores, Halloween – mas existe um outro motivo que também é lembrado neste mês, apesar de pouco divulgado. Outubro é o mês internacional da conscientização e sensibilização pelas perdas gestacionais, neonatais e infantis, sendo o dia 15 a principal data dessa lembrança. Nesse dia é realizado o evento chamado Onda de Luz (Wave of Light), quando pessoas no mundo todo prestam suas homenagens àqueles que tiveram uma breve vida entre nós, acendendo uma vela.

Em todo o mundo, uma em cada quatro mulheres irão perder o seu bebê durante a gravidez, no parto ou na infância. Esse é um número bastante expressivo, sendo que provavelmente você conhece alguém que já passou por uma perda assim. Apesar disso, esse tema é considerado um grande tabu em nossa sociedade. A morte de um filho representa uma inversão do curso natural da vida e passar por essa experiência é algo avassalador. Quem perde um bebê, ainda durante a gestação ou logo após o seu nascimento, vive um luto invisibilizado pela sociedade. Afinal, como sentir falta de alguém com quem não se compartilhou memórias? Mas quem passa por isso vive o luto justamente por essas vivências planejadas e não concretizadas. Vive-se o luto pelo futuro sonhado que não se tornará realidade, pelas expectativas que foram criadas com a gestação. 

As famílias que passam por essas perdas, além de não terem os seus sentimentos validados, precisam “brigar” para que os seus filhos sejam considerados  e o seu status de mães e pais seja reconhecido. No entanto, independentemente do tempo de gestação ou de convivência, o sentimento de maternidade e paternidade existe com a mesma força. 

É muito comum que ouçam frases das pessoas que tentam consolá-las, mas que acabam trazendo mais sofrimento: “Foi melhor assim”; “Pelo menos foi no início e não deu tempo de se apegar”; “Você logo terá outro filho” (como se fosse possível substituir um filho!). Caso você tenha que consolar uma família que passou por essa experiência, não se sinta pressionado a falar algo aprimorado. Um “sinto muito” e um abraço já são de grande valia. Se for possível se colocar disponível para ouvir a mãe ou o pai enlutado, melhor ainda. A escuta empática e acolhedora certamente fará diferença. 

Entretanto, nossa sociedade infelizmente não é educada para lidar com a morte ou o luto, e é muito comum o afastamento social dessas famílias. As pessoas acham que falar sobre o filho que partiu trará mais sofrimento, mas isso não é verdade. Falar sobre o filho é um processo terapêutico, auxilia na elaboração do luto, além de fazer com que a existência dele seja validada. Além disso, as mães sofrem a cobrança para retomarem a sua vida normal o quanto antes, enquanto para os pais não é nem lhe dado o direito de sofrer, pois precisam estar “fortes” pelas companheiras, já que “homem não chora”. Se o luto da mãe é invisível, o do pai é ainda mais negligenciado.

É importante salientar que o luto não é um processo linear, ele se apresenta como altos e baixos; também não tem um tempo definido para acabar ou para ser superado. Não se supera a morte de um filho. A maneira como a pessoa vive o luto é muito particular e única, e precisa ser respeitada. Mas é possível ressignificá-lo e aprender a lidar com a dor e com a saudade que fica. Lembrando que a dor não está relacionada com o número de semanas gestacionais ou o tempo de vida do bebê: “dor não se compara, se ampara”.  

Felizmente nos últimos anos tem ocorrido no Brasil um movimento pela humanização do luto, contando com vários grupos engajados no acolhimento dessas famílias e na sensibilização da sociedade. São realizados encontros presenciais e virtuais com mães, pais e outros familiares, além de campanhas e eventos com o intuito de se conscientizar as pessoas a respeito das perdas gestacionais e neonatais e as questões que envolvem essa temática. Caso vivencie uma perda desse tipo ou conheça quem está passando por isso, procure por um desses grupos. 

 

Acesse para aprender mais sobre o tema

Cartilha de orientação ao luto parental, elaborada pela ONG Amada Helena: https://cartilhaamadahelena.wixsite.com/luto 

“Dor e amor a gente não mede por semanas de gestação”(@transformacaoararaquara)

 “Quando um filho perde seus pais, ele se torna órfão, quando um adulto perde seu parceiro, ele se torna viúvo, quando os pais perdem seu filho, eles ficam sem palavras” (@entremaesdeanjos)

 

Natália e sua filhinha Elis (Foto: arquivo pessoal)

 

Altar para Elis no dia da Onda de Luz (Foto: arquivo pessoal)

 

*Natália Mundim Tôrres é professora do Instituto de Biologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), mãe de um casal de gêmeos de 5 anos de idade e da Elis, que nasceu em janeiro e viveu por apenas 30 minutos.

 

A seção "Leia Cientistas" reúne textos de divulgação científica escritos por pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). São produzidos por professores, técnicos e/ou estudantes de diferentes áreas do conhecimento. A publicação é feita pela Divisão de Divulgação Científica da Diretoria de Comunicação Social (Dirco/UFU), mas os textos são de responsabilidade do(s) autor(es) e não representam, necessariamente, a opinião da UFU e/ou da Dirco. Quer enviar seu texto? Acesse: www.comunica.ufu.br/divulgacao. Se você já enviou o seu texto, aguarde que ele deve ser publicado nos próximos dias.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2020. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal