Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

26/03/2021 - 17:21 - Atualizado em 30/03/2021 - 09:40
Nutricionista investiga como o horário em que comemos afeta nosso corpo
Cibele Aparecida Crispim, PQ-2, está na série 'Produtividade em Pesquisa'
Por: 
Diélen Borges

 

Professora do curso de Nutrição da Faculdade de Medicina da UFU, Cibele Crispim, coordena o Grupo de Estudos em Cronobiologia Nutricional (Foto: arquivo da pesqusiadora / Arte: Viviane Aiko)

 

A professora Cibele Aparecida Crispim, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia (Famed/UFU), já apareceu aqui no portal Comunica UFU quando falamos sobre o lançamento da disciplina internacional de crononutrição, do projeto “Um olhar acolhedor para o alimentar-se” e da relação da nutrição com o câncer de mama

Agora, ela integra a série em que apresentamos os novos bolsistas de Produtividade em Pesquisa (PQ), contemplados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) na última chamada. Saiba mais sobre o que ela pesquisa e a relevância de seus estudos para a sociedade.

 

Cibele Aparecida Crispim, PQ-2 

Sou nutricionista com Mestrado e Doutorado em Nutrição pela Universidade Federal de São Paulo, professora Associada II, em regime de dedicação exclusiva, do curso de Nutrição da Faculdade de Medicina (Famed/UFU), e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Famed/UFU. 

Coordeno o Grupo de Estudos em Cronobiologia Nutricional (Cronutri). Tenho experiência na área de Nutrição, com ênfase em Nutrição, Cronobiologia e Sono.

Veja mais no Currículo Lattes.

 

O que você pesquisa? 

Minha linha de pesquisa é voltada à Cronobiologia Nutricional, ou simplesmente Crononutrição. Essa área propõe que a ingestão de determinados nutrientes e/ou o horário de ingerir as refeições podem afetar o funcionamento do corpo, promovendo um desajuste temporal em diversas variáveis fisiológicas. 

Isso se baseia em algo simples: nosso corpo está preparado para receber e metabolizar alimentos em determinados horários do "dia". Se esse consumo não acontece e é compensado em outros horários (como a noite avançada), vêm as consequências negativas para o corpo. 

Nossas e outras pesquisas nesta área sugerem que o horário em que as refeições são consumidas e a alimentação noturna excessiva podem influenciar o metabolismo e elevar o risco de doenças como a obesidade.

 

Por que a sua pesquisa é importante para a ciência e para a sociedade?

Considerando o crescente corpo de evidências ligando questões relacionadas ao tempo à saúde metabólica e nutricional, a organização circadiana parece ser clinicamente importante na compreensão de doenças como a obesidade e, talvez, no tratamento nutricional dessas. 

A palavra "circadiano" vem do latim e significa o período de 24 horas do dia. A organização circadiana diz respeito à forma como nos organizamos nesse período - nossa alimentação, nosso sono, nossas atividades, etc. O ideal é que seja respeitado o período do dia (claro) para fazermos tudo isso, mas nem sempre isso acontece e deixamos de dormir à noite para fazer as "coisas" que não conseguimos durante o dia, inclusive comer. Nossos estudos têm demonstrado que isso é muito ruim para a saúde. 

Portanto, a crononutrição surge como uma ferramenta importante para a saúde metabólica e nutricional de determinados grupos populacionais (por exemplo, os trabalhadores em turnos, que usualmente comem em horários não adequados, como a madrugada) e no tratamento de doenças como a obesidade. Por esse motivo, a área precisa ser melhor explorada.

 

Política de uso: A reprodução de textos, fotografias e outros conteúdos publicados pela Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal de Uberlândia (Dirco/UFU) é livre; porém, solicitamos que seja(m) citado(s) o(s) autor(es) e o Portal Comunica UFU.  

 

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2021. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal