Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

06/04/2021 - 15:35 - Atualizado em 06/04/2021 - 16:09
O que nos resta da Bildung neo-humanista?
Em tese de doutorado premiada pela Sociedade Brasileira de Teoria da História e História da Historiografia (SBTHH), professora do curso de História do Campus Pontal da UFU nos chama a atenção para a atualidade do conceito neo-humanista de Bildung
Por: 
Portal Comunica UFU
Por: 
Walkiria Oliveira Silva*

A docente Walkiria Oliveira Silva analisou a obra de Friedrich Gundolf (1810-1931) (Foto: coleção do Museu da Cidade de Munique)

 

O conceito neo-humanista de Bildung, formatado pelo filósofo e fundador da Universidade de Berlim, Wilhelm von Humboldt (1767-1835), diz respeito à formação integral e autônoma do homem, não restrita à formação escolar.

No âmbito germânico, no decorrer do século XIX, o ideal de formação neo-humanista foi um elemento imprescindível para a fundamentação e a manutenção da identidade nacional formatada pela burguesia culta alemã. Nesse sentido, formar-se compreendia a absorção de uma cultura especificamente nacional que demarcava a identidade nacional alemã.

Na minha tese de doutoramento, (O historiador é o protetor da Bildung: Friedrich Gundolf e a função formativa da História), defendida no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília, procurei entender as relações entre o conceito neo-humanista de Bildung e a função pragmática do conhecimento histórico mediante a análise da obra de Friedrich Gundolf (1810-1931).

Em sua vasta obra, Gundolf se dedicou, principalmente, às análises de autores do barroco e romantismo alemães, e à recepção da obra de Shakespeare entre os germânicos. Em seus trabalhos, com destaque para Goethe (1916), Gundolf atribuiu valor epistemológico ao conceito de formação neo-humanista, associando-o à manutenção da identidade alemã em um momento de profundas transformações do jogo social, que incluía o advento da sociedade de massas, do operariado e da tecnologia.

Nesse mundo fraturado e desorientado, a burguesia culta – grupo social ao qual pertencia Gundolf – entrou em declínio e seus valores, incluindo a Bildung, pareciam não mais necessários para a fundamentação identitária dos alemães. Não por acaso, Gundolf retomou em sua história da literatura o ideal de formação de Humboldt a fim de conectá-lo ao papel pragmático do conhecimento histórico: fundamentar, explicar e manter as identidades no âmbito individual e coletivo a partir da orientação temporal.

Nossas pesquisas reafirmam sempre que o conhecimento histórico não é algo somente sobre o passado, apartado das nossas interpretações acerca do mundo circundante. Pelo contrário: o conhecimento histórico que produzimos em nossas pesquisas está alicerçado, antes de tudo, no nosso tempo presente. Assim, cabe-nos refletir: o que nos resta da Bildung?

Acredito que uma das funções do conhecimento histórico, bem como seu ensino – independente do nível escolar – é auxiliar-nos em nossa orientação temporal: como lidamos com nosso passado e nossos projetos de futuro, com os pés no presente. Essa orientação nos é fundamental para que possamos não somente agir no mundo, mas construir, fundamentar e manter a nossa identidade individual e coletiva (e também criticá-la!).

É nesse sentido que a Bildung resiste enquanto uma formação para a liberdade, a fim de capacitar os indivíduos a agirem adequadamente no mundo, compreendendo os outros e a si mesmos em uma relação constante de alteridade e humanismo.

 

*Walkiria Oliveira Silva é docente no Instituto de Ciências Humana do Campus Pontal/UFU. Sua tese "O historiador é o protetor da Bildung: Friedrich Gundolf e a função formativa da História" foi premiada no 3º Concurso de Teses, Dissertações e Monografias, promovido pela Sociedade Brasileira de Teoria da História e História da Historiografia (SBTHH).

 

A seção "Leia Cientistas" reúne textos de divulgação científica escritos por pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). São produzidos por professores, técnicos e/ou estudantes de diferentes áreas do conhecimento. A publicação é feita pela Divisão de Divulgação Científica da Diretoria de Comunicação Social (Dirco/UFU), mas os textos são de responsabilidade do(s) autor(es) e não representam, necessariamente, a opinião da UFU e/ou da Dirco. Quer enviar seu texto? Acesse: www.comunica.ufu.br/divulgacao. Se você já enviou o seu texto, aguarde que ele deve ser publicado nos próximos dias.

 

Política de uso: A reprodução de textos, fotografias e outros conteúdos publicados pela Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal de Uberlândia (Dirco/UFU) é livre; porém, solicitamos que seja(m) citado(s) o(s) autor(es) e o Portal Comunica UFU.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2021. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal